Engenharia celular desenvolve novo potencial para a imunoterapia T CAR

Por Docmedia

3 maio 2021

Se o surgimento da imunoterapia contra o câncer foi o mais importante evento recente no combate à doença, pode-se dizer que a imunoterapia T CAR, que modifica células do próprio paciente para que ataquem as células cancerígenas, pode ser considerada o maior avanço recente dentro da imunoterapia. Células T CAR são atualmente utilizadas com sucesso no tratamento de linfomas de células B e há estudos para seu uso em outros cânceres sanguíneos.

Contudo, a eficácia da terapia tem sido menos importante contra tumores sólidos, já que há a necessidade de migração das células T CAR até o tumor e que sobrevivam em um ambiente imunossupressor o tempo necessário para matar as células cancerígenas. Nesse contexto, a novidade vem de um estudo de pesquisadores da Universidade da Califórnia (San Francisco) em associação com colegas da Universidade de Helsinque.

O artigo da equipe narra o desenvolvimento de um sistema de identificação em duas etapas para as células T CAR. Desta forma, a célula é criada para atacar um determinado marcador expresso por células sadias e cancerígenas, mas só desencadeia efetivamente o ataque se a expressão do marcador for acima de certo limiar na célula. É o que ocorre com o receptor de fator de crescimento epidérmico humano 2 (HER2), expresso em todas as células da mama, mas superexpresso nos chamados tumores HER2 positivos.

Quer saber mais?

Veja esse artigo e mais notícias sobre inovação em Medicina, Odontologia e Farmácia no nosso app. Lá além de mais conteúdos, você poderá montar a sua biblioteca de artigos para referência. Acesso gratuito.

Baixe aqui AppStore

Baixe aqui Google Play

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens relacionadas
Read More

O Open Health está chegando? O que você precisa saber sobre ele

Fácil acesso a dados clínicos, maior agilidade na tomada de decisões, análise de um grande volume de dados complexos, uma nova realidade para a assistência médica. Essas são algumas das promessas do Open Health, modelo de compartilhamento de dados de saúde similar ao Open Banking. Porém apesar das expectativas, as dificuldades para tornar o modelo uma realidade, não são poucas