Novo termogel biofuncional pode melhorar o resultado de cirurgias de retina

A vitreorretinopatia proliferativa (VRP) ocorre quando o processo cicatricial impede que o tecido da retina se regenere com a arquitetura habitual. O fenômeno é causa de mais de 75% das cirurgias de descolamento de retina mal sucedidas e pode em perda completa da visão se não for corrigido. Atualmente, o tratamento preconizado é feito com a retirada cirúrgica das membranas cicatriciais anormais. A novidade é que pesquisadores do Instituto de Pesquisa e Engenharia de Materiais (IMRE), da Universidade Nacional de Cingapura (NUS) e do Instituto de Pesquisa Ocular de Cingapura (SERI) entenderam que a VRP representa uma oportunidade para a utilização de substâncias que modulem a proliferação celular na retina em cicatrização.
Por Docmedia

25 agosto 2022

A vitreorretinopatia proliferativa (VRP) ocorre quando o processo cicatricial impede que o tecido da retina se regenere com a arquitetura habitual. O fenômeno é causa de mais de 75% das cirurgias de descolamento de retina mal sucedidas e pode em perda completa da visão se não for corrigido. Atualmente, o tratamento preconizado é feito com a retirada cirúrgica das membranas cicatriciais anormais.

A novidade é que pesquisadores do Instituto de Pesquisa e Engenharia de Materiais (IMRE), da Universidade Nacional de Cingapura (NUS) e do Instituto de Pesquisa Ocular de Cingapura (SERI) entenderam que a VRP representa uma oportunidade para a utilização de substâncias que modulem a proliferação celular na retina em cicatrização.

A publicação em Nature Communications conta que o resultado do esforço da equipe foi o desenvolvimento de um termogel biofuncional capaz de prevenir a ocorrência de cicatrizes na retina. Segundo os autores, estudos de transcriptômica mostraram que o termogel ativa a proteína fator 2 relacionado ao fator nuclear eritroide (NRF2). Com isso, o novo polímero sintético consegue modular processos celulares como migração e proliferação, em última instância impedindo a formação de tecido cicatricial anormal e prejudicial.

O novo composto foi testado com bons resultados em modelos pré-clínicos que imitam a vitreorretinopatia proliferativa vista em seres humanos, o que deu ânimo à criação de uma empresa destinada ao seu desenvolvimento e comercialização, a Vitreogel Innovations Inc. Além disso, os autores se mostram animados com o fato de que a biofuncionalidade única de seu termogel na prevenção de cicatrizes possa se aplicar a outras áreas clínicas onde o problema é relevante, como no caso do problema que representam as cicatrizes intra-articulares em ortopedia.

Por fim, os autores dizem que seu produto com biofuncionalidade intrínseca desafia a crença de polímeros sintéticos sempre requerem uma pequena molécula incorporada para a produção de efeitos terapêuticos.

No momento, a Vitreogel Innovations Inc está em fase final de desenvolvimento de uma versão do novo termogel visando inéditos ensaios clínicos.

Fonte: https://www.nature.com/articles/s41467-022-30474-6

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *