Ferramenta desvenda mecanismos da resistência à imunoterapia no melanoma

Por Docmedia

15 abril 2021

A imunoterapia só beneficia 20% dos pacientes. Os inibidores do ponto de verificação imune (ICIs) retiram os freios do sistema imune para que o câncer seja atacado com toda plenitude. Para o melanoma, os ICIs significaram a proximidade de cura para 1/3 dos pacientes. Entretanto, ainda não são conhecidos os mecanismos envolvidos na resistência aos ICIs dos outros 2/3.

Agora, pesquisadores da Universidade de Columbia e do MIT publicaram um artigo anunciando o desenvolvimento de uma ferramenta capaz de realizar uma varredura nas células do tumor em busca dos mecanismos envolvidos na resistência aos ICIs. O Perturb-CITE-seq é, em essência, uma técnica destinada a identificar e examinar as vias moleculares utilizadas pelas células cancerígenas para escapar do tratamento com ICIs.

Aplicada em células de melanoma derivadas de pacientes, a técnica identificou diversos mecanismos de resistência aos ICIs já conhecidos, reforçando sua validade. Mas, além disso, foram identificadas vias ainda desconhecidas de resistência aos ICIs, como a perda ou regulação negativa do CD58, uma via que prejudica a atuação das células T e aumenta a produção do ligante de morte programada 1 (PD-L1).

Quer saber mais?

Veja esse artigo e mais notícias sobre inovação em Medicina, Odontologia e Farmácia no nosso app. Lá além de mais conteúdos, você poderá montar a sua biblioteca de artigos para referência. Acesso gratuito.

Baixe aqui AppStore

Baixe aqui Google Play

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens relacionadas
Read More

Combinação de quimioterapia e imunoterapia melhora resultados do câncer de pâncreas

A forma mais comum do câncer de pâncreas é o adenocarcinoma ductal pancreático (PDAC). A doença é notoriamente agressiva e insidiosa, muitas vezes sendo diagnosticada apenas depois de estar avançada ou metastática. A novidade é que um esquema combinado de quimioterapia e imunoterapia mostrou resultados bem melhores do que quando as medicações são utilizadas isoladamente.