Estratégia da Polipílula na prevenção cardiovascular secundária

Por Docmedia

30 setembro 2022

Doenças cardiovasculares são a principal causa de morte e complicações ao redor do mundo. Após um evento isquêmico, alvos farmacológicos são utilizados, a fim de prevenir novos eventos e melhorar a qualidade de vida dos pacientes.

A prevenção secundária usual engloba três classes de medicamentos: aspirina, inibidores da enzima conversora de angiotensina (IECA) e estatina. No entanto, a incidência de novos eventos isquêmicos ainda é alta, sendo a falta de aderência às medicações prescritas um fator crucial nessa estatística.

Com base nisso, o ensaio clínico em fase 3 Secondary Prevention of Cardiovascular Disease in the Elderly (SECURE) tem acompanhado pacientes com infarto agudo do miocárdio recente (dentro de 6 meses após o evento), em vários centros ao redor do mundo, a fim de comparar os resultados da prevenção secundária usual versus uma estratégia simples e inovadora.

Desenvolvida por Ferrer International, a Polipílula é um único medicamento que contém aspirina 100mg + ramipril 2.5, 5 ou 10mg + atorvastatina 20 ou 40mg, e que promete grandes benefícios na prevenção cardiovascular secundária. De acordo com os resultados atuais, a Polipílula mostrou-se eficaz na diminuição do risco de novos eventos isquêmicos e maior aderência ao tratamento.

A inovação da Polipílula reside na simplificação da prevenção farmacológica cardiovascular secundária, consequente maior aderência ao tratamento e, possivelmente, queda na incidência de novos eventos isquêmicos em pacientes com doença cardiovascular.

Quer saber mais?

Fonte: https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa2208275?query=recirc_curatedRelated_article

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens relacionadas