Desvendado o mecanismo por trás do maior fator de risco genético para lúpus

Por Docmedia

29 setembro 2022

O lúpus eritematoso sistêmico (LES) é uma doença autoimune comum, afetando milhões de pessoas em todo o mundo. Atualmente, a doença é incurável, em muito devido ao conhecimento incompleto sobre suas bases genéticas e moleculares.

O alelo HLA-DRB1*03:01 é o principal fator de risco genético para a doença e a novidade é que pesquisadores da Universidade de Michigan afirmam terem desvendado o mecanismo pelo qual esse substrato genético origina as reações que caracterizam a doença.

Artigo recente em Communications Biology lembra que as aberrações celulares que caracterizam LES incluem estresse aumentado do retículo endoplasmático (RE), resposta de proteína desdobrada ativada (UPR), disfunção mitocondrial e morte celular aberrante. Além disso, é gerado um estado pró-inflamatório e produção de autoanticorpos contra antígenos nucleares responsáveis por lesões em órgãos alvo.

O objetivo do grupo era identificar o elo entre essas alterações e o HLA-DRB1*03:01. Até o momento, o entendimento de consenso era que o desencadeamento da cascata de reações que culminam nos sintomas de LES dependia de algum gatilho relacionado à apresentação de antígenos ao sistema imune.

Entretanto, ao realizarem experimentos em culturas celulares e modelos murinos de LES, os pesquisadores detectaram que um epítopo alélico curto em HLA-DRB1*03:01 ativa um transcriptoma de lúpus característico em macrófagos de camundongo e humanos quando está na presença de interferon gama.

O mesmo caminho também ativou todas as aberrações celulares já descritas que caracterizam a doença. No modelo animal, a injeção intramuscular de interferon gama em camundongos transgênicos contendo o alelo HLA-DRB1*03:01 resultou em aumento dos níveis séricos de anticorpos anti-DNA de fita dupla, deposição de imunocomplexos glomerulares e alterações renais histopatológicas que se assemelham à nefrite lúpica humana.

Segundo os autores, seus achados comprovam a existência de um mecanismo independente da apresentação antigênica relacionando o substrato de risco HLA-BDR1*03:01 e o surgimento de LES, um conhecimento que pode auxiliar no desenvolvimento de estratégias mais simples e eficazes para tratar a condição.

Quer saber mais?

Fonte: https://www.nature.com/articles/s42003-022-03717-x

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens relacionadas